CANAL MEMÓRIA DA TV (escolha uma atração para assistir)

CONTROLE REMOTO (especial) - TÚNEL DO TEMPO

terça-feira, 31 de março de 2009

Morre o comediante Ankito
.
Dois meses após o lançamento de sua primeira biografia, Ankito, um dos maiores comediantes brasileiros, morreu ontem no Rio, aos 84 anos, de complicações decorrentes de um câncer no pulmão.

Ele se tratava havia um ano e cinco meses e se sentiu mal no domingo. Foi levado para o hospital Pedro Ernesto, em Vila Isabel, na zona norte, onde morreu às 10h40. Seu corpo será sepultado hoje, às 11h, no cemitério do Catumbi.

Nascido em 1924 no Brás, em São Paulo, Anchizes Pinto herdou do pai -conhecido como o palhaço Faísca- o nome e a vocação para o circo. Sua mãe, Thomazina, também se tornou artista para acompanhar o marido, e o menino Tito, como era chamado, cresceu no picadeiro.Aprendeu logo os segredos das acrobacias, sobre bicicletas ou usando o próprio corpo, e foi, para muitos que o viram, um dos grandes acrobatas de seu tempo, tendo feito até o número do globo da morte no circo. Sob o codinome Andy, fez duplas famosas com Vick (o italiano Vico Tadei) -brilhando no Cassino da Urca, no Rio- e Mory (Omar Savalla Baxter).

Graças a seu talento como acrobata, apresentou-se na Argentina e na Europa, mas foi no Brasil mesmo, e como ator, que Ankito (já com este nome dado por Juan Daniel, pai de Daniel Filho) se consagrou. Chamou a atenção em números cômicos, no teatro, e em 1952 estreou no cinema.

Começou logo com um sucesso, "É Fogo na Roupa" (1952), com direção de Watson Macedo. Fez outros trabalhos notórios nos anos seguintes, como "Quem Roubou Meu Samba?" (1959), de José Carlos Burle, mas atingiu seus maiores momentos ao formar dupla, na Herbert Richers, com Grande Otelo, que saíra da Atlântida.

Entre 1957 e 1961, eles fizeram dez filmes juntos, como "Metido a Bacana" (1957), "De Pernas pro Ar" (1957) e "Pé na Tábua" (1957). Ainda trabalhariam juntos em 1975, em "Ladrão de Bagdá, o Magnífico".

"Ele era um artista completo. Ankito fazia um humor puro, sem grosserias. Quando vejo um filme dele, eu vejo pureza. É uma graça gostosa de se ver", disse ontem a terceira mulher, Denise Casais Lima Pinto, 48, autora da recém-lançada biografia "Ankito - Minha Vida... Meus Humores", da Funarte.

Segundo ela, o marido, que fez 32 filmes, sentia falta do cinema. Mas nunca deixou por muito tempo de atuar no teatro e na televisão. Na Globo, fez novelas e séries como "Gina", "A Sucessora", "Engraçadinha" e "Alma Gêmea", e nos últimos anos atuou no humorístico "Zorra Total".

"Meu pai era um brincalhão e gostava de levar a gente para acompanhar as filmagens", disse ontem Mônica Godoy Pinto, uma das filhas de Ankito.Ankito teve três filhos e também deixa oito netos.
.
.
Fonte: Folha de São Paulo
.

Nenhum comentário: