CANAL MEMÓRIA DA TV (escolha uma atração para assistir)

CONTROLE REMOTO (especial) - TÚNEL DO TEMPO

segunda-feira, 15 de abril de 2013


Morre, aos 89 anos, a atriz Cleyde Yáconis.




Cleyde Yáconis morreu, aos 89 anos, em São Paulo nesta segunda-feira, 15.  A informação foi confirmada pela assessoria do do Hospital Sírio Libanês para o EGO, mas não revelou mais detalhes. Desde o final de março, a atriz estava internada no hospital.


Veja o comunicado do Hospital Sírio Libanês:  "A senhora Cleyde Becker Yaconis, 89 anos, faleceu na tarde desta segunda-feira, 15 de abril de 2013, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde estava internada desde outubro de 2012. O corpo será velado nesta terça-feira, no distrito de Jordanésia, município de Cajamar, onde será sepultado."

Em 2010, a atriz passou por uma cirurgia no hospital Barra D'Or na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, e ficou internada por seis dias devido a uma queda que sofreu, tendo fraturado a cabeça do fêmur.

Em seu último papel na televisão, a atriz interpretou a personagem Brígida, na novela "Passione", que era casada com Antero, vivido por Leonardo Villar, e tinha um relacionamento misterioso com seu motorista, Diógenes, personagem de Elias Gleiser.


Entre seus trabalhos na TV, destacam-se as novelas: Mulheres de Areia, Os Inocentes, Gaivotas, Ninho da Serpente, Rainha da Sucata, Vamp e Torre de Babel. Cleyde Yáconis era irmã da atriz Cacilda Becker.
Cleyde Yáconis nasceu em Pirassununga, São Paulo. Entre 1958 e 1969, a atriz foi casada com o ator Stênio Garcia. Sua estreia no cinema aconteceu em 1954, na produção "Na Senda do Crime". Ao lado de sua irmã, Cacilda, Cleyde fundou o "Teatro Cacilda Becker", junto com Ziembinski, Walmor Chagas e Fredi Kleeman, em 1953, estreando com a peça "O Santo e a Porca", de Ariano Suassuna.

Pelo seu papel na novela "Torre de Babel", Cleyde ganhou o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) de melhor atriz coadjuvante, 1999. Seu primeiro prêmio foi em 1975, por seu trabalho em "Os Inocentes".


Fonte: EGO

Um comentário:

Blogger disse...

Me lembro bem delaa. Fazia sempre papel de grã-fina.

Que descanse em paz