CANAL MEMÓRIA DA TV (escolha uma atração para assistir)

CONTROLE REMOTO (especial) - TÚNEL DO TEMPO

domingo, 27 de janeiro de 2008

ONDE ESTÃO AS EMÍLIAS ?
...
...
O texto abaixo foi publicado no jornal O GLOBO EM 20/07/1996.
...
..
As atrizes que tiveram a honra de interpretar a boneca de pano no "Sítio do picapau amarelo", infantil que a Globo voltou a exibir em sua programação pelas manhãs, Narizinho, Pedrinho, Dona Benta, Tia Anastácia e o Visconde são o maior barato. Mas ninguém representa mais a obra de Monteiro Lobato do que Emília, a boneca de pano, alter ego do escritor. Nos dez anos de sucesso da série na Globo, três atrizes tiveram a honra de interpretar a personagem: Dirce Migliaccio, Reny de Oliveira e Suzana Abranches. O Caderno TV foi atrás...Dirce Migliaccio foi a primeira Emília da emissora. Mas não a primeira da TV. O Sítio do picapau amarelo foi adaptado anos antes, em 1951, na Tupi de São Paulo, onde foi ao ar por 12 anos consecutivos, em episódios semanais. Dirigida por Júlio Gouveia e Tatiana Belinky, a primeira montagem trazia, como Emília, a atriz Lúcia Lambertini, já falecida. Mas foi com Dirce que a boneca virou ídolo de milhões de crianças, marcando multas gerações. Embora tenha ficado no ar por apenas um ano (1977), atriz guarda um carinho especial pela personagem. "O único problema era a quantidade de textos que eu tinha para decorar. Acordava muito cedo e trabalhava o dia todo, pois naquela época não havia lei que protegesse o artista. Por isso, desisti da série. Mas agradeço a Deus por ter feito a Emília, que era um personagem muito rico e completo", conta Dirce, 38 anos de Globo e que está em cartaz com a peça As tias de Mauro Rasi, no teatro Leblon.De 1978 a 1983, Emília foi vivida pela paulista Reny de Oliveira, que tinha então 28 anos. A atriz assumiu papel da boneca assim que terminou as filmagens da primeira versão da novela Eramos seis, na Tupi. Numa entrevista da época, Reny definiu o personagem como "urna pessoa que vive em um mundo que, para ela, é totalmente verdadeiro, mas que, como ser humano, seria uma catástrofe, pois não tem coração." Cinco anos depois de sua estréia como Emília, a atriz desistiu do papel por estar cansada de não ser reconhecida na rua, já que a personagem usava muita maquiagem. O Caderno TV tentou, tentou, mas confessa: não conseguiu localizar Reny. A Globo não tem contato e nem seus antigos amigos de profissão. O diretor dó Sítio, Geraldo Casé, não sabe do paradeiro da atriz, mas informa que ouviu falar que ela estava morando nos Estados Unidos.Em 1983, Reny foi substituída pela atriz Suzana Abranches*, que passou a interpretar a boneca de pano, participando do elenco do Sítio até 1985, quando a série chegou ao fim. Suzana tem hoje 36 anos e está grávida de três meses de seu primeiro filho. "Fazer a Emília foi maravilhoso. Só sai porque acabou, mesmo. Naquela época, a linguagem televisiva estava mudando muito e a Globo tinha outros projetos infantis, como o Balão Mágico", lembra. Para Suzana, um dos traços mais interessantes da boneca é o fato de ela não ter idade. "Em cada cena ela apresentava uma faixa etária. A Emília tem coisas de uma mulher supersábia, mas às vezes parece um bebê."Hoje, Suzana dá aulas de teatro nos colégios Andrews e Liessen, em Botafogo, além de dirigir um grupo de leitura de obras clássicas, como Shakespeare e Molière. "Não estou podendo fazer teatro no momento por causa da gravidez", diz a atriz, que também participou da montagem teatral do Sítio feita pelo diretor Paulo César de Oliveira no teatro Villa Lobos, há dois anos.
...
..

* Suzana hoje compõe o grupo O Grelo Falante, que escreve um jornal de humor feminino.

Nenhum comentário: