CANAL MEMÓRIA DA TV (escolha uma atração para assistir)

CONTROLE REMOTO (especial) - TÚNEL DO TEMPO

quinta-feira, 5 de abril de 2007







A CREDIBILIDADE E INDEPENDÊNCIA DO JORNALISMO BANDEIRANTES
.
.
“Sempre gostei de desafios e ninguém me bota cabresto. Por isso, tive momentos complicados na Bandeirantes, mas fiz o que quis. Quem não se lembra quando , com todo rigor militar este país caminhava sob uma firme ditadura? Apareceram duas oportunidades de fazermos jornalismo corajoso, exclusivo, e eu topei. Aqui falaram Luiz Carlos Prestes, para desespero dos militares e Leonel Brizola, preparando sua volta ao Brasil, lá do exílio.”
.
.
.
A declaração de João Jorge Saad ilustra posicionamento da emissora. A tradição jornalística da Band está calcada na credibilidade e independência, dois pilares dos quais não abre mão. Ao longo de sua história, há vários episódios que comprovam essa postura. Em 84, a Band mostrava os comícios das Diretas-já, quando isso significava ameaça de corte de sinal e cassação de concessão. Em 92, foi a única Rede que entrou desde o começo na CPI do caso Collor, quando isso significava ficar de fora das campanhas publicitárias do governo federal.
Canal Livre
Na década de 80, a Band colocou no ar o Canal Livre, um dos programas mais representativos da história da televisão brasileira. O surgimento desse programa de entrevistas coincidiu com o processo de abertura política no País. Em plena ditadura, era uma tentativa de levar para a tevê um jornalismo mais crítico, opinativo e independente. Esse objetivo era explícito inclusive no encerramento, quando a voz de Sargentelli era ouvida em off na leitura dos Direitos Humanos. Passaram pelo programa durante todos esses anos as figuras mais importantes do cenário nacional e internacional, como Tancredo Neves, Ulysses Guimarães, Jorge Amado, Caetano Veloso, Darcy Ribeiro, Tom Jobim, Chico Buarque, Alceu Amoroso Lima, Vargas Llosa, Shimon Perez e Daniel Ortega. O Canal Livre permanece no ar, sempre com assuntos de interesse nacional.
Band: sinônimo de tradição em debates políticos
Os debates promovidos pela Band nas eleições se transformaram numa tradição que completa agora 22 anos. Pioneira, a emissora saiu na frente na realização dos encontros, que mostram ao eleitor os candidatos sem “maquiagem” e por isso mesmo, muitas vezes definem a disputa. João Jorge Saad ressaltava o orgulho que sentia nessa prestação de serviço:“Esperamos continuar a exercer, pelo futuro, esse exercício democrático que permite o surgimento de verdadeiros líderes. Nós, da Bandeirantes, sempre tivemos consciência da nossa responsabilidade social como veículo de comunicação. Nunca fechamos as portas para as vozes de oposição, abrimos espaços para todas as correntes políticas e nunca nos tornamos caudatários do poder, nem nos momentos mais difíceis da vida brasileira.”
Fernando Mitre, diretor nacional de jornalismo da Band , produziu 31 debates na emissora. Foi um dos responsáveis por encontros históricos nas disputas por prefeituras, governos de Estados e Presidência da República. Durante todos esses anos, em conjunto com os partidos, trabalhou no aperfeiçoamento das regras. Acompanhe, a seguir, o depoimento de Mitre sobre os debates da Band:
“ Depois de quase 30 anos sem eleger seu presidente, o Brasil começou a se preparar para as eleições diretas à presidência da República. Em 1988 surgiram os movimentos políticos, as articulações visando a organização das candidaturas. A Bandeirantes procurou os dois presidenciáveis mais notáveis naquele momento, Leonel Brizola e Franco Montoro, e fez o primeiro debate entre possíveis candidatos à presidência do País. Foi um debate que acendeu as atenções e discussões sobre o que aconteceria em 1989, com as primeiras eleições diretas à presidência após o golpe militar. A candidatura de Franco Montoro, no entanto, acabou não se concretizando e a Rede Bandeirantes, em 89, voltou à campo e realizou vários debates entre os candidatos mais significativos. Eram eles: Lula, Ulysses Guimarães, Ronaldo Caiado, Aureliano Chaves, Fernando Collor, Leonel Brizola, Paulo Maluf, Afif Domingues, Roberto Freire e Afonso Camargo. A Bandeirantes praticamente monopolizou a cobertura das eleições presidenciais porque fez uma série de 5 debates já no primeiro turno. Depois, no segundo turno, participou do pool com as demais emissoras, transmitindo os dois debates entre Collor e Lula. O primeiro nas instalações da Manchete, no Rio de Janeiro, e o segundo, que definiu a eleição, em seus estúdios em São Paulo. Devo lembrar que no primeiro turno Collor não participou dos debates, mas mesmo assim realizamos os debates com os demais candidatos. Isso fortaleceu uma tradição que já tínhamos, porque desde 82 a Bandeirantes já fazia debates entre candidatos aos governos estaduais. Mas coube à emissora realizar o primeiro debate da história do Brasil entre candidatos à presidência da República na televisão. Depois disso, nas eleições posteriores, a Rede Bandeirantes nunca mais deixou de promover esses encontros entre os candidatos”.
Momentos marcantes
Fernando Mitre ressalta que várias eleições tiveram seu resultado traçado após os debates realizados pela Rede Bandeirantes. Ele cita alguns exemplos:
“Os debates que a Band produziu no primeiro turno em 89 praticamente definiram o perfil da eleição e o comportamento do eleitor diante dos candidatos. Foi daí que Lula saiu votado para disputar o segundo turno com Fernando Collor. Para governador, várias vezes a eleição foi definida aqui. Houve um encontro memorável no segundo turno entre Covas e Paulo Maluf: Maluf entrou no debate com mais 7 pontos na pesquisa e saiu com menos 7. Perdeu a eleição ali. Houve alguns momentos curiosos, como por exemplo o debate do segundo turno entre Erundina e Pitta. Na véspera do debate já agendado pela Band, a Globo decidiu fazer um encontro na mesma data. A candidata Erundina preferiu comparecer ao debate da Globo , Pitta optou pela Band. Resultado: Erundina deu uma entrevista na Globo e Pitta foi entrevistado pela Band. A audiência entre as emissoras ficou empatada; 28 a 28...”
.
.
Fonte: BAND

Nenhum comentário: