CANAL MEMÓRIA DA TV (escolha uma atração para assistir)

CONTROLE REMOTO (especial) - TÚNEL DO TEMPO

sábado, 29 de agosto de 2009

Há 16 anos, Mulheres de Areia fazia sucesso na faixa das 18h.

por: Duh Secco


.
“Irmãs gêmeas que disputam o mesmo homem”. Uma idéia recorrente nos folhetins brasileiros, mas que Ivani Ribeiro soube desenvolver com primazia, quando idealizou o grande sucesso Mulheres de Areia.
.
Inspirada na rádio-novela As Noivas Morrem no Ar, Mulheres de Areia ganhou a tela da tv em 1973, ainda em preto-e-branco, no horário nobre da Rede Tupi de Televisão. Vinte anos depois, mais precisamente em 1º de fevereiro de 1993, a Rede Globo colocava no ar a segunda versão da história, agora com elementos O Espantalho, outra obra de Ivani Ribeiro. Mulheres de Areia tinha como mote, o clichê citado anteriormente, sobre irmãs gêmeas disputando o mesmo homem. Apostava ainda em outro clichê recorrente em histórias envolvendo gêmeos: como pode duas pessoas idênticas na aparência, serem tão diferentes na personalidade?
.
Ruth e Raquel Araújo (criações brilhantes de Glória Pires) eram as gêmeas em questão. A primeira, boa ao extremo, professora dedicada, sem vaidades e sem maiores pretensões para a sua vida. A segunda, egoísta, ambiciosa, carreirista, obstinada a enriquecer do modo mais fácil. Eram diferentes até mesmo com relação ao amor. Enquanto Ruth se mostrava contida, denotando um certo medo de se entregar ao homem que amava, Raquel fazia acontecer em sua explosiva relação com o vigarista Wanderley (Paulo Betti).
.
As duas gêmeas eram tão diferentes que chegavam a colocar até os seus pais em lados opostos: enquanto Floriano (Sebastião Vasconcelos) venerava Ruth, chegando a dar o nome dela para o seu barco, Isaura (Laura Cardoso) protegia sempre a filha mau-caráter. Uma relação que poderia parecer estranha, levando o público a tomar a mãe das gêmeas por vilã. No fundo, Isaura sabia que os caminhos que Raquel trilhava só poderiam culminar na derrocada da filha, e por isso, dispensava sua total atenção à gêmea má.
.
Raquel, realmente, seguiu por caminhos tortuosos. Fez-se passar pela irmã para conquistar o milionário Marcos Assunção (Guilherme Fontes). Descoberta a farsa, deu um jeito de ludibriar o rapaz e leva-lo para o altar. Marcos era o galã romântico que pecava pelo excesso de ingenuidade. Criado com mãos-de-ferro pelo pai, Virgílio Assunção (Raul Cortez), escapou da tirania dele ao se casar, mas acabou caindo nas garras da esposa, tão autoritária quanto o velho empresário.
.
Virgílio fora o responsável pela entrada de Raquel em sua família, quando, logo no início da trama, paga uma boa quantia para que ela o ajude a separar Marcos da “caiçara” Ruth. Mal sabia ele que Raquel se tornaria mais um de seus desafetos. Além da nora indesejada, Virgílio tinha atritos constantes com a filha Malu (Vivianne Pasmanter, que só fez crescer ao longo da trama) e com o cunhado, Breno (Daniel Dantas), prefeito de Pontal d’Areia, fictícia cidade do litoral fluminense, onde se desenrolava a história. A relação de Breno e Virgílio foi extraída de O Espantalho, trama que Ivani produziu em 1977, quando era contratada dos Estúdios TVS. Breno proibia o banho de mar nas praias de Pontal, devido à poluição das águas. Virgílio, dono do maior hotel da região, era contra a atitude do cunhado. A princípio, agia pelas costas do prefeito, fingindo apóia-lo. Até que resolveu partir para a chantagem, usando do passado da mulher de Breno, a bela Vera (Isadora Ribeiro) para desestabiliza-lo (Vera era dançarina de uma boate, fora do país). Virgílio também lançou mão de um espantalho, usado para simbolizar o prefeito espanta-turistas. Mas o feitiço virou contra o feiticeiro e Virgílio acabou sendo perseguido pelo artifício que criara. Tônia (Andréa Beltrão, sempre ótima), comerciante local e partidária de Breno, se travestia como o espantalho para amedrontar o empresário (sua identidade fora revelada apenas no final). As peças que pregava nele se intensificaram após a morte do irmão de Tônia, o menino Reginho (Fabrício Bittar), que mergulhou nas águas poluídas de Praia do Pontal. Tão fortes eram os sustos que Virgílio acabou enfartando, em uma das noites na qual Tônia, como espantalho, o perseguiu.
..


.
Antes, porém, Virgílio
atormentou e muito a pobre Ruth. Esta assumira a identidade de Raquel, após um acidente de barco na qual a gêmea má fora dada como morta. Ruth, exímia nadadora, tentou segurar a irmã no mar revolto, mas acabou ficando apenas com a aliança dela em suas mãos. Assim que fora resgatada, teve a aliança colocada em seu dedo pelo atormentado Tonho da Lua (Marcos Frota), grande amigo de Ruth e alvo fácil das maldades de Raquel. Decidido a ver a amiga (e amor platônico) feliz, Tonho convence a mesma a se passar pela irmã e ficar ao lado de Marcos. Mas Ruth não contava com tanto sofrimento. Acaba sendo acusada de assassinar Wanderley, com um tiro no peito. No tribunal, revela sua verdadeira identidade. Logo após, Raquel ressurge. A princípio, como um fantasma que atormenta Da Lua. Depois de forma definitiva, decidida a tomar de volta o lugar que mantinha na família Assunção. Após inúmeras brigas com a irmã, Raquel acaba vítima de um acidente, deixando enfim o caminho livre para Ruth e Marcos.
.
Mulheres de Areia é a terceira maior audiência do horário das 18h e uma das maiores da faixa de reprise vespertina “Vale a Pena Ver de Novo”. Mérito de Ivani Ribeiro, da direção competente de Wolf Maya, e do elenco afiado, composto por grandes nomes: Humberto Martins como o xucro e sensível peão Alaor (em ótima parceria com Vivianne Pasmanter), Eloísa Mafalda e Carlos Zara como os comerciantes Manuela e Zé Pedro, Nicette Bruno como a tresloucada Juju, Ricardo Blat com o amargurado Marujo, e Paulo Goulart, em um personagem diferente de tudo o que costuma fazer, o dono dos barcos Donato, protegido de Iemanjá e responsável por todo o tormento sofrido por Tonho da Lua. Este, apesar de seus problemas mentais, era um talentoso escultor. Passava os dias pela Praia do Pontal, fazendo esculturas de mulheres na areia. Esculturas que testemunharam esta grande história; de uma única linha transformada em 201 capítulos, recheados de grandes emoções...
.

Um comentário:

Fernanda disse...

O seu comentário sobre a novela está o máximo, adorava essa novela!!